13 Jul 2024 Ellipse ATUALIZADO 04:42

Publicado

12/06/2024
Publicação

FLONA: Prefeitura do Assu diz Não à expansão

A Prefeitura do Assú, em um ato de pequenez e de maneira precipitada, lançou hoje (12) uma nota repudiando a decisão do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) de expandir a FLONA e a criação de outra reserva ambiental no município. Em nota, a Prefeitura afirma que o projeto “[…] estabelece um grave entrave social e econômico para toda a população do município de Assú e […] repele toda e qualquer forma de opressão ao desenvolvimento socioeconômico do nosso município.”. Mas será mesmo?

Em um mundo onde as discussões sobre o meio ambiente nunca foi tão latente, essa nota nada mais é do que uma tentativa de “passar a boiada”, de colocar o ICMBio como “vilão” e soterrar o projeto que é tão rico e importante. A Prefeitura chega a citar que a população do Assú, de “maneira quase unânime”, é a favor do projeto. Mas a nota não afirma em que foi baseada essa afirmação, se foi realizada alguma pesquisa de opinião ou se trata apenas de uma opinião do alto escalão do órgão.

A Prefeitura Municipal que hoje demonstra ser contrária à criação do projeto é a mesma que deliberadamente derruba as árvores dos espaços públicos nas áreas urbana e rural em nome do tal “progresso”; é a mesma que sua Secretaria de Meio Ambiente, em quase oito anos, não tem um projeto relevante, parece servir apenas de cabide para cargos comissionados; é a mesma que não lutou contra a transferência da administração da área para o ICMBio na cidade de Mossoró/RN.

Dito isto, todo projeto é passível de modificações e ajustes, como esse necessita, tudo pode ser discutido ouvindo as partes interessadas, de maneira plural, com a participação da comunidade, da Prefeitura e do ICMBio para se chegar a um denominador comum. A FLONA, que existe desde 1950, além de sofrer com precariedade em recursos humanos e materiais, sofre grande pressão urbana, por se localizar junto à zona urbana do Assú, e medidas precisam ser tomadas, criando-se, por exemplo, uma zona de amortecimento, pois a área possui grande valor científico, cultural e ambiental para o RN e merece ser preservada e ampliada. É importante lembrar que não há desenvolvimento sem que se busque os pilares da sustentabilidade: econômia, ambiente e sociedade, e no Brasil não faltam exemplos de projetos sustentáveis de sucesso.

Estamos observando…

6 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Anônimo

    Dedé da Várzea, como você já sabe, o IDEMA idealizou para os moradores da Comunidade Rural de Linda Flor um presente de grego. Agora que esses moradores da várzea estão literalmente ilhados por uma reserva ambiental, o que os seus escrevinhadores vão dizer sobre isso? Eles ainda apoiam as propostas absurdas do ICMbio para o município de Assu?

    Responder
  • Anônimo

    Não sou contra o meio ambiente.. Mais sou contra tomada de terras de terceiros para fazer projeto para governo ganhar dinheiro a custa deles.. Tento tanto canto para ICMBio fazer projeto aqui RN tem logo que tomar as terras das pessoas.

    Responder
  • Anônimo

    Ando observando o estranho sumiço da vice-prefeita FABIELLE BEZERRA nesse tema tão sério para os destinos da população do Assú. A vice-prefeita ao menos procurou conhecer qual o teor das polêmicas propostas apresentadas pela direção ICMBio para serem implantadas, especificamente na zona rural e em partes considerável do município de Assú? Qual a posição da vice FABIELLE BEZERRA? Permanecerá muda e sem coragem de dizer que não conhece o problema?

    Responder
  • Anônimo

    A quem teve a sabedoria de ler, antes de opinar sobre a proposta absurda do ICMbio, não tomará outra decisão se não reprovar a proposta absurda de ampliação FLONA, criação da MONA, e por consequência a Zona de Amortecimento. A Prefeitura, classe política e a sociedade civil organizada, sabiamente, têm se posicionado contra, defendendo assim o povo do nosso município.

    Responder
  • Anônimo

    Penso que a população do Assu, não é contra preservação do meio ambiente, provou isso a quase três décadas atrás quando se uniu e não permitiu o fechamento do escritório do ICMbio em Assú, agora esse mesmo órgão que ele defendeu querer empurrar goela a baixo, sem discussões prévias um projeto estapafúdio, de forma sorrateira, este mesmo povo não aceitará pretenso absurdo

    Responder
  • Anônimo

    VC conhece a proposta do ICMBio vc?

    Responder
POSTS RELACIONADOS