23 Feb 2024 Ellipse ATUALIZADO 07:56

Publicado

11/06/2023

Atualizado

31/01/2024
Publicação

“Auto de São João Batista”: uma vitória da classe artística

Por Gicardson Lima, Graduado em Letras, Inglês e Português pela UERN, Editor Colaborador do Observatório da Várzea

Desde seu primeiro ano de apresentação, 2005, o “Auto de São João Batista” estabeleceu um momento de muita efervescência entre os artistas assuenses. Após o primeiro ano de espetáculo, facilmente poderíamos encontrar jovens interessados em fazer teatro. Escolas desenvolviam seus próprios grupos, e peças de teatro, pequenas ou grandes, eram difundidas em todos os recantos da cidade. É assim, que se estabelece o fomento às artes e cultura.

Diferentemente da edição de 2023 que foi financiada pela Prefeitura do Assú, sem dúvidas um investimento importante para o setor cultural, as edições do início dos anos 2000 tinham toda iniciativa custeada pelo Governo do Estado do RN, quando teve seu ponto alto durante o governo de Wilma de Faria, declinando durante o governo Rosalba.

Sem entrar no mérito político, pois esse tem obrigação de garantir a prática da arte e valorização da cultura assegurada pela Constituição de 1988, então, não há discussão quanto a iniciativa do poder público.

Logo, os artistas sim são merecedores de todo o reconhecimento. É a resistência do setor cultural que garantiu o retorno do “Auto de São João” à cena do município de Assú. É inegável que após as últimas edições do referido espetáculo cênico, esse ficou sem credibilidade junto àqueles que realizavam serviços que viabilizam a concretização do auto. Mesmo diante de todo esse tempo insistindo com gestões anteriores, igreja e até mesmo com a atual gestão, a realização do espetáculo sempre batia na trave.

Contudo, os artistas sempre mantiveram a chama da esperança de um dia rever o palco armado e a história do Santo Padroeiro ganhar vida sobre ele. Vale salientar que com o passar dos anos, os grupos de dança praticamente desapareceram, buscaram abrigo em academias e escolas, porém as ruas os perderam. Da mesma forma foram os grupos de teatro que desacreditados foram se dissipando um a um, existindo poucos remanescentes. E esses últimos não tiveram refúgios.

Dessa forma, o Auto de 2023 retorna com uma responsabilidade, que é trazer todos esses aspectos citados à tona. Por isso, o nome de Diana Fontes é importante para o momento. Competência e credibilidade suficientemente comprovadas mediante seu relevante currículo completamente devoto ao fomento da arte, desde trabalhos cênicos quanto na produção e desenvolvimento de projetos culturais.

Por consequência disso, o “Auto de São João Batista ” 2023 traz uma releitura das edições dirigidas por Diana, quem não se omitiu em momento algum que gostaria de contar com um elenco no qual ela possa confiar, por isso nomes de artistas assuenses também de edições passadas se juntaram aos novos. Assim, a direção traz uma atmosfera bastante lúdica ao espetáculo, uma vez que o figurino demonstra cores variadas poucas vezes vistas no Auto. A fluidez das canções que são um dos pontos altos da apresentação que somada a criatividade para resolução de cena como a morte de João Batista deixa bem claro a preocupação com a receptividade das cenas por quem está assistindo.

Os elementos cênicos e cenários são outros destaques do espetáculo, os quais fazem referências a elementos do município, assim como o figurino, que traz aspectos dos casarões antigos. Tudo isso somado ao elemento iluminação faz da apresentação um momento mágico, mergulhando o espectador em duas viagens paralelas, uma delas é o próprio martírio de São João e o outro fica por conta do saudosismo das novas roupagens do texto e canções.

É relevante, portanto, destacar que o ápice do espetáculo fica por conta do elemento humano. Sim, os atores e atrizes dotados de técnicas somadas a muita dedicação demonstraram um show de linguagem artística, desde as canções à expressão corporal e facial. Por fim, assim como o empenho daqueles que desempenharam seus papéis brilhantemente, o desfecho dessa narrativa foi e sempre será uma vitória do setor artístico e cultural da cidade de Assú. E a expectativa sempre será que tais investimentos não sejam passageiros para suprir as necessidade eleitoreiras, que sejam sim, incentivos de fato, os quais deixam um legado para que as gerações vindouras possam usufruir e consumir a arte e vivenciar a cultura de forma justa e sem discriminação. Parabéns, a todos que fizeram a realização do “Auto de São João Batista” 2023 possível. E parafraseando o artista Jobielson Silva: “Que a arte prevaleça”.

Estamos observando…

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    POSTS RELACIONADOS