23 Jun 2024 Ellipse ATUALIZADO 20:31

Publicado

05/05/2023

Atualizado

31/01/2024
Publicação

Projeto de Karielle Medeiros dá a UBS o nome de “Mãe Dalina”, uma das primeiras parteiras da Várzea

Por José Guimarães, Licenciado em Filosofia pela Faculdade Vicentina (Curitiba), especialista em Pesquisa Acadêmica e Científica na Prática Docente, pela Unibagozzi (Curitiba) e Editor Colaborador do Observatório da Várzea.

Na noite desta última quinta-feira, dia 04 de maio, a vereadora Karielle Medeiros leu no plenário da Câmara Municipal do Assú um requerimento em que apresentou um Projeto de Lei que denomina a Unidade de Saúde da Comunidade de Nova Esperança de “Parteira Mãe Dalina”, referindo-se a uma das primeiras e talvez a mais conhecida das parteiras da Várzea.

Maria Cidalina da Conceição (Mãe Dalina), nascida na comunidade do Martins (Várzea Histórica) e, depois, naturalizada e enraizada em Nova Esperança, ficou muito conhecida em todo Vale do Açu por ser a melhor parteira da época, segundo relatos dos varzeanos. A caminho de fazer mais um parto, caiu da bicicleta e ficou impossibilitada de andar, passando a usar muletas e, depois, acamada. Mesmo paralítica ainda fazia partos, pois era solicitada por toda a região.

Ressaltar a importância de “Mãe Dalina”, assim chamada por ser considerada a segunda mãe de toda uma geração da Várzea, é resgatar a identidade varzeana e valorizar o legado de uma mulher que une gerações e aproxima os genes das comunidades de Nova Esperança e PanonI, ambas remanescentes da lendária comunidade do Martins, a maior e mais populosa comunidade da Várzea Histórica e, por consequência, o centro cultural daquela época, dotada de delegacia, pequenos comércios e pequenas indústrias como cerâmica, casa de farinha, etc.

Mãe Dalina sintetiza toda uma cultura de coletividade, como alguém que fez do seu dom um serviço ao povo varzeano assistindo incontáveis partos, auxiliando inúmeras famílias, tomando como “filhos de parto” toda uma geração que encontra em sua “madrinha” uma espécie de matriarca do povo, que traz em seu próprio nome uma homenagem à Padroeira da Várzea, a Imaculada Conceição. Como a maioria do povo varzeano da época, a fé era o farol que guiava as almas neste mundo e Mãe Dalina era um lampejo da presença celeste nesta terra, trazendo à luz inúmeras crianças com suas próprias mãos e abençoando todos aqueles que lhe tinham como madrinha.

Estamos observando…

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    POSTS RELACIONADOS